Como forma de fortalecimento na relação entre a Instituição de Ensino e a sociedade, o curso de Direito da FTC Conquista desenvolve em escolas públicas o projeto de extensão Direito na Escola, que orienta alunos do ensino médio sobre direitos da criança e do adolescente e direito penal.

Executado por alunos do sétimo semestre, o projeto é feito em parceria com a Polícia Militar da Bahia, que promove o “Ronda nas Escolas”, e já passou por unidades educacionais dos bairros Kadija, Brasil e Ibirapuera, atendendo a centenas de estudantes do ensino médio.

As atividades de extensão da FTC fazem parte de uma prática pedagógica que valoriza o aluno e a sua relação com a sociedade, o que contribui, por exemplo, para que o curso seja bem avaliado por instituições independentes, como o Ministério da Educação, que este ano colocou o curso de Direito como o melhor de Vitória da Conquista, entre as instituições públicas e privadas.

E para os alunos, que são do 7º e 8º semestre, a experiência está sendo muito valiosa, sobretudo pelo fato de poder exercitar os conhecimentos. Nas apresentações eles falam, dentre outros assuntos, sobre medidas sócio-educativas, poder familiar e a atuação do Conselho Tutelar nos municípios.

“Aqui aprendemos a externar o que aprendemos em sala de aula”, comentou o aluno Francisco José de Araújo Guerra, do 7º semestre, após recente apresentação da turma dele na Escola Estadual Nilton Gonçalves, no Ibirapuera.

Guerra diz que “o Direito acadêmico é muito teórico”, observando em seguida que “tirando as matérias de estágio supervisionado, a gente carece bastante da prática”. “Nos outros cursos”, ele prossegue, “vemos mais prática que no Direito”.

Empenho

Também do 7º semestre, Rafaela Maria Santos Oliveira, 23, destaca que o projeto “ajuda mais no aprendizado e a sociedade a saber como funcionam as leis do nosso país”. “Todos nós estamos muito empenhados e preparados para passar as informações para os estudantes”, afirmou.

Diretora da Escola Estadual Nilton Gonçalves, Edna Maria Souza Rabelo recebeu o projeto com bastante empolgação, sobretudo porque ele trás para os alunos informações que serão muito válidas para o cotidiano.

“Eles moram numa comunidade onde convivem com problemas sociais graves, sobretudo relacionados à violência, tanto infantil, quanto envolvendo o adolescente e o adulto. Quando a proposta nos foi apresentada abracei logo porque sempre soube que eles possuem esse desejo de saber sobre o assunto”, declarou.

O projeto está em sua segunda edição, informou a professora de Direito da Criança e do Adolescente, Isabela Alves Mattos. “Ele foi desenvolvido no segundo semestre de 2016, quando foi ofertada a disciplina Direito da Criança, e agora estamos num segundo plano do projeto, que, por ser de extensão, possibilita aos alunos ultrapassarem os muros da faculdade e o contato com a comunidade”, observou Isabela, que elogiou o engajamento dos alunos na preparação das apresentações.